segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

Governo abre inscrições para 130 cursos online gratuitos

Destaque para os cursos de Introdução à Libras, Noções Gerais de Direitos Autorais, Ética, Lei de Acesso à Informação e Introdução ao Estudo da Economia





A Escola Virtual da Enap (Escola Nacional de Administração Pública) está com inscrições abertas para mais de 130 cursos online totalmente gratuitos. Essa dica é para você que precisa completar horas extracurriculares na faculdade ou quer aproveitar bem o tempo livre com cursos bacanas e com direito a certificado de conclusão.


Na página de inscrição, que você pode acessar aqui, estão disponíveis as informações sobre cada curso e dados sobre público-alvo, carga horária, conteúdo programático, objetivos de aprendizagem e metodologia.


As opções estão divididas em 16 temáticas: Auditoria e Controle; Dados, Informação e Conhecimento; Desenvolvimento Gerencial; Educação e Docência; Ética e Cidadania; Gestão de Pessoas; Gestão de Políticas Públicas; Gestão Estratégica; Governança e Gestão de Riscos; Governo Digital e Transparência; Inovação; Logística e Compras Públicas; Orçamento e Finanças; Políticas Públicas Setoriais; Tecnologia da Informação; e Transferências Voluntárias.


Entre as opções ofertadas, destaque para os cursos de Introdução à Libras, Noções Gerais de Direitos Autorais, Ética, Lei de Acesso à Informação, Controle Social e Introdução ao Estudo da Economia, Governo Aberto e Gestão de Risco no Setor Público.


Todos os cursos dão direito a certificado de conclusão ao aluno que obtiver o mínimo de 60% de aproveitamento nas atividades.


É importante informar que todas as capacitações oferecidas são auto instrucionais e por isso, não contam com a presença de tutores para tirar dúvidas de conteúdo nem possibilitam a interação com outros participantes. Os módulos trazem leitura do conteúdo on-line, material de apoio e exercícios de avaliação.


O curso pode ser realizado em smartphones e tablets, pois a plataforma é responsiva e permite a adaptação do conteúdo a diferentes formatos e tamanhos de telas.


FONTE: Catracalivre

Estudo aponta que homens fazem mais autopromoção do que mulheres em trabalhos acadêmicos

Artigos com um primeiro ou um último autor masculino eram mais propensos a descrever seu trabalho em termos positivos

    Livro dá controverso conselho para que mulheres sejam mais assertivas em obter influência no trabalho, em         vez de esperar que esta seja oferecida Foto: Fabio Motta/Estadão



Lean In (Arrisque-se, em tradução literal), aconselha Sheryl Sandberg, diretora de operações do Facebook, em um livro com esse nome. Seu conselho para as mulheres - serem mais assertivas em obter influência no trabalho, em vez de esperar que esta seja oferecida - foi recebido com desprezo por algumas feministas. Elas dizem que as mulheres não estão se esquivando dos degraus mais altos da carreira. Em vez disso, elas estão sendo afastadas por forças injustas no mercado de trabalho ou enfrentando barreiras estruturais à medida que sobem.


Um artigo publicado no BMJ, periódico de pesquisa médica, no entanto, traz algum apoio à ideia de que os homens se promovem mais e que isso ajuda suas carreiras. Marc Lerchenmueller e Olav Sorenson, afiliado à Yale Business School, e Anupam Jena, da Harvard Medical School, examinaram a linguagem nos títulos e resumos de mais de 100 mil artigos de pesquisa clínica. Eles separaram aqueles em que o primeiro e o último autor citados eram mulheres daqueles em que um ou ambos eram homens. (O primeiro nome geralmente é de um pesquisador júnior que liderou o trabalho, enquanto que o último nome em geral é de um pesquisador sênior que ajudou a orientá-lo.) Com certeza, artigos com um primeiro ou um último autor masculino eram mais propensos a descrever seu trabalho em termos positivos.


“Original” foi o termo positivo mais comumente autoaplicado, e aqueles trabalhos com um homem como primeiro ou último autor usaram a palavra 59,2% a mais do que os artigos assinados por mulheres-mulheres. Mas “promissor” era ainda mais assimétrico: trabalhos com o primeiro ou último autor masculino usaram essa palavra 72,3% a mais do que aqueles com o primeiro e o último autor feminino. Os pesquisadores descobriram ainda que essa autopromoção estava associada a um maior número de citações subsequentes. E ambos os efeitos eram maiores em revistas de prestígio.


Uma possibilidade a ser testada é que os homens realmente fazem mais pesquisas “inovadoras” e “promissoras” do que as mulheres e, portanto, merecem elogios. Os autores do artigo tentaram fazer esse teste. Eles analisaram os rankings de prestígio dos periódicos envolvidos e compararam artigos semelhantes em áreas específicas de pesquisa o mais cuidadosamente possível. Embora seja difícil excluir completamente a possibilidade, outras pesquisas sugerem que os homens simplesmente se interessam mais por si mesmos do que as mulheres. Eles são, por exemplo, mais propensos a citar a si mesmos, de acordo com um artigo publicado em 2017 na Socius, uma revista de sociologia.


Então, as mulheres devem chamar atenção para si mesmas com maior entusiasmo? Um artigo recente rebate essa conclusão fácil. Em um estudo de pesquisa econômica, as mulheres foram sujeitas a mais comentários dos revisores e obrigadas a fazer mais revisões nos textos apresentados. As “notas de legibilidade” das mulheres (uma medida que recompensa palavras e frases curtas) aumentaram com os rascunhos subsequentes e com trabalhos posteriores em suas carreiras. Ao tentar agradar os obstinados revisores, elas parecem estar simplificando e tornando mais diretos seus resumos, e talvez também cortando palavras extras - como “promissora”.


FONTE: Estadão .

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Desligamento dos guarda-volumes eletrônicos

Guarda-volumes serão desligados dia 11/12 às 16h.



Os guarda-volumes da Biblioteca, situados debaixo da rampa, serão desligados no dia 11/12 às 17h. Solicitamos que quem possua pertences nos mesmos os retirem até essa data. Materiais encontrados dentro deles serão deixados nos Achados e Perdidos.

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Supercomputador Santos Dumont do LNCC se torna a maior plataforma computacional da América Latina

Equipamento fica em Petrópolis (RJ) e é usado por pesquisadores de diversos países. Com investimento, capacidade de processamento aumentou 360%.

              Supercomputador no LNCC em Petrópolis, RJ, é a maior plataforma computacional da América                             Latina — Foto: Aline Rickly/G1




O supercomputador Santos Dumont, instalado no Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) em Petrópolis, na Região Serrana do Rio, se tornou a maior plataforma computacional da América Latina após investimento de R$ 63 milhões da Petrobras e dos parceiros, que compõem o Consórcio de Libra.


A nova capacidade foi inaugurada na tarde desta segunda-feira (25)​ com a presença do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes.


"Um computador como esse faz uma diferença gigantesca no planeta. Precisamos da ciência e tecnologia trabalhando ombro a ombro com todos os ministérios. Essa expansão devolve ao Brasil uma posição muito importante no ranking mundial”, afirma o ministro.


Leiam a matéria completa aqui . 

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Saiba mais sobre nossa Biblioteca: recursos de acessibilidade

A Biblioteca dispõe de alguns recursos para auxiliar nossa Comunidade Acadêmica com deficiência.





A Biblioteca possui alguns recursos de acessibilidade que montamos em um dos nossos computadores para possibilitarmos um melhor atendimento à nossa Comunidade com necessidades especiais, especialmente os de baixa visão.  


Instalamos um scanner de voz, que permite a digitalização e leitura do material por sintetizador de voz. O programa que realiza a leitura permite também a ampliação da fonte para leitura na tela, bem como alterar o contraste de cores entre letra e fundo.


Esse mesmo computador foi equipado também com o programa NVDA (NonVisual Desktop Access - Acesso Não-Visual ao Ambiente de Trabalho), programa livre e gratuito para Windows que realiza a leitura de tela. 


Para maior conforto, o computador conta também com um fone de ouvido.


Além do computador, temos também uma lupa de mesa, para quem preferir leitura de livro físico sem necessidade de uma tela para isso.







sexta-feira, 22 de novembro de 2019

É Fato Unifesp: Reitora fala sobre os dois terrenos da Prefeitura de São Paulo doados para a universidade





A Unifesp possui um novo canal de comunicação com a comunidade: o projeto É Fato Unifesp. Trata-se de uma conexão direta com a reitora, Soraya Smaili, e o vice-reitor, Nelson Sass, por meio de vídeos de curta duração, nos quais comentam com exclusividade os fatos e as principais notícias da universidade.


No novo vídeo, a reitora fala sobre os dois terrenos da Prefeitura de São Paulo doados para a universidade.




Sigam a Unifesp pelo seu canal no Youtube . 

Unifesp é a melhor universidade federal do Brasil em Educação e Saúde

Destaques da instituição ocorrem nos rankings por áreas do conhecimento da Times Higher Education



A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) se destaca entre as melhores instituições de ensino superior do Brasil em diferentes áreas do conhecimento, de acordo com a Times Higher Education (THE) de 2020, publicação britânica especializada em rankings universitários.


A classificação por áreas – são elas: Artes e Humanidades, Ciência da Computação, Ciências da Vida, Ciências Físicas, Ciências Sociais, Clínica, Pré-clínica e Saúde, Direito, Economia e Negócios, Educação, Engenharia e Tecnologia, Psicologia – realizada pela THE usufrui dos mesmos indicadores de desempenho referentes ao ranking mundial, mas os pesos são adequados a cada campo.


Dentre as instituições que lideram assuntos clínicos, pré-clínicos e de saúde, a Unifesp subiu sua colocação mundial em relação ao ranking de 2019, indo da faixa 301-400 para 251-300. No total, este ano, participaram 775 universidades. Já dentre as brasileiras, é considerada a melhor federal, ocupando a segunda colocação, ficando atrás apenas da Universidade de São Paulo (USP).


Em assuntos educacionais, é a primeira vez que a Unifesp está no ranking, figurando na faixa 201-250 na classificação geral. Foram avaliadas 477 universidades neste ano. No Brasil, é mais uma vez a melhor federal, classificada em terceiro lugar, atrás da USP e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).


Outras novidades são em Psicologia e Ciências Sociais, onde a Unifesp aparece também pela primeira vez. Apenas 16 instituições brasileiras foram ranqueadas na lista de 2020 na área de Psicologia. Já em Ciências Sociais, a Unifesp está entre as cinco melhores do Brasil.


FONTE: UNIFESP . 

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

BDJur: fonte de informação jurídica para bibliotecários

A BDJur é um repositório mantido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), que possibilita acesso a diversos conteúdos da área jurídica, disponíveis nas coleções: Atos Administrativos, Doutrina e Repositório Institucional.




É possível dividir sua pesquisa em:


ATOS ADMINISTRATIVOS
Boletim de Serviço e Atos Normativos do STJ, da ENFAM e do extinto TFR


DOUTRINA
Livros, artigos, palestras e outros conteúdos doutrinários


REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DO STJ
Publicações e documentos produzidos pelas unidades do STJ


A BDJur foi reformulada e apresenta novo layout, mais moderno e dinâmico, que facilita a navegação e a pesquisa nos mais de 85 mil documentos disponíveis. Deixe suas críticas e sugestões no formulário Avalie a BDJur.


ACESSO


A BDJur disponibiliza documentos de acesso aberto, que podem ser visualizados pelo público em geral, sem necessidade de efetuar login no sistema, e documentos que possuem restrição de acesso. Se um documento solicita login para ser acessado, significa que o item é restrito e somente poderá ser acessado por Ministros, magistrados convocados e servidores do STJ, mediante o uso de login e senha de rede.


Escritório de Dados Estratégicos Institucionais amplia uso de indicadores acadêmicos

A criação do E-Dados foi impulsionada pela recém-aprovada Política de Gestão de Dados Estratégicos Institucionais da Unifesp




O Escritório de Dados Estratégicos Institucionais (E-Dados) foi criado pela Unifesp e aprovado no Conselho Universitário (Consu), no dia 13 de novembro, para ampliar o uso de dados, indicadores e metas no seu planejamento estratégico e nas suas políticas institucionais, e para apresentar, de forma clara e acessível, dados e indicadores de sua atuação à comunidade acadêmica, à sociedade, aos órgãos controladores e governos. O escritório vai trabalhar, também, nas análises dos rankings de desempenho acadêmico para uma melhor compreensão dos seus resultados e melhor entendimento das dinâmicas internas e externas voltadas ao ensino, pesquisa e extensão que levam aos seus resultados.


O E-Dados foi impulsionado pela constituição da Política de Gestão de Dados Estratégicos Institucionais da Unifesp, que é composta pelo Plano de Dados Abertos, pela Política de Dados Estratégicos e pela Política de Dados de Pesquisa (em desenvolvimento), aprovada também no Consu e pela qual o escritório tem a responsabilidade de implantação e manutenção. Ele será responsável ainda pela futura Política de Dados de Pesquisa. Por outro lado, a sua criação foi estimulada pelo novo formato do Relatório de Gestão de 2018 da instituição, uma vez que o documento passa a ser baseado na visualização dos dados, principalmente por meio de gráficos e infográficos.


Diante da dinamicidade, articulação e plasticidade necessárias às suas atribuições e ao seu funcionamento, o E-Dados optou por uma organização em regime de cogestão entre a Pró-Reitoria de Planejamento (ProPlan), a Superintendência de Tecnologia da Informação (STI), a Coordenadoria da Rede de Bibliotecas Unifesp (CRBU) e o Pesquisador Institucional. Dessa forma, as equipes de cada agente cogestor poderão ser alocadas diante dos objetivos e estruturas necessárias ao seu funcionamento.


Entre os trabalhos já desenvolvidos pelo E-Dados estão a Plataforma Somos, em parceria com a STI, e a participação inédita da Unifesp no ranking 360º da Revista Época Negócios.


Para entrar em contato com o E-Dados, escreva para edados@unifesp.br.


FONTE: Unifesp .

Plataforma Somos permite acesso à pesquisa desenvolvida pela UNIFESP

As informações foram extraídas da Plataforma Lattes, por meio de um convênio assinado entra a STI e o CNPq






Agora é possível visualizar os pesquisadores, as especialidades e a produção científica da Unifesp, por meio da Plataforma Somos. Os resultados são exibidos de forma visualmente atrativa e geram indicadores dos Programas de Pós-Graduação das escolas e institutos da universidade. A navegação é bastante intuitiva e acessível a diferentes públicos interessados.


O intuito é permitir acesso mais fácil às competências de pesquisa desenvolvidas na Unifesp, bem como a ampliação da visibilidade dos pesquisadores da instituição. “Esperamos que os mecanismos oferecidos pela plataforma Somos ampliem as possibilidades de intercâmbio entre os pesquisadores e permitam que a comunidade interna bem como o público externo conheçam a pesquisa desenvolvida em toda instituição”, afirma a reitora Soraya Smaili.


Ao permitir buscar por temas, pessoas ou áreas de interesse, a ferramenta torna-se valiosa para empresas interessadas na interação com a Unifesp ou mesmo para os próprios pesquisadores da universidade e de outras instituições de Ciência e Tecnologia.


As informações foram extraídas da Plataforma Lattes, por meio de um convênio assinado entre a Superintendência de Tecnologia da Informação (STI) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) no primeiro semestre de 2019. Todos os docentes da Unifesp, bem como os orientadores externos vinculados a programas de pós-graduação, estão na plataforma e terão as atualizações do lattes automaticamente registradas.


A Plataforma Somos foi desenvolvida pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e foi implementada na Unifesp por iniciativa da STI juntamente com o Escritório de Dados Estratégicos Institucionais (E-Dados), recentemente aprovado no Conselho Universitário (Consu).


FONTE: Unifesp .


quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Machine learning e big data


Para saber mais e ficar por dentro das novas tecnologias, leiam os e-books:


Inteligência artificial uma abordagem de aprendizado de máquina / 2011 -  ( Ebook )

INTELIGÊNCIA artificial : uma abordagem de aprendizado de máquina. Rio de Janeiro LTC 2011 1 recurso online ISBN 978-85-216-2146-1. 




Introdução a big data e internet das coisas (IOT) / 2018 -  ( Ebook )

INTRODUÇÃO a big data e internet das coisas (IOT). Porto Alegre SAGAH 2018 1 recurso online ISBN 9788595027640.






Para lerem os e-books, acessem biblioteca.unifesp.br , pesquisem pelos títulos e cliquem neles, para abrir, entrem com suas credencias da Biblioteca:

Login: número de cpf ou número completo de matrícula (para alunos antigos)

Senha: 3 primeiras letras do primeiro nome.



Não tem cadastro na Biblioteca ainda? Sem problemas, passe em nosso balcão de atendimento com o crachá, documento com foto e cpf (se o RG tiver o número de cpf ou se tiver carteira de motorista não precisa trazer o cpf também) e um comprovante de residência. 










segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Logística e Cadeia de Suprimentos 4.0

Entenda um pouco sobre Logística e Cadeia de Suprimentos 4.0 sem mistério na palestra mediada pela Profa. Dra. Miriam Oishi





Palestrante convidada: Doutora Renata Rampim de Freitas Dias, especializada em aplicações de RFID e novas tecnologias, parceira do Centro de Excelência em RFID. Com vários artigos internacionais publicados no campo de identificação por radiofrequência e forte background no cenário acadêmico, é doutorada em RFID em ambientes hostis pela UNICAMP e Institut Polytechnique de Grenoble - França, e mestre em Engenharia Elétrica e Computação, também pela UNICAMP. Certificada CompTIA RFID+, especialista em Administração Industrial pela Escola Politécnica da USP, pós-graduada Lato-Sensu em Métodos Computacionais em Engenharia pela Faculdade de Engenharia de Sorocaba, Certificada ISCEA RFIDSCM ¿ RFID Supply Chain Manager, Vice Chairman IEEE Chapter Education Society South Brazil, uma das organizadoras do primeiro livro sobre RFID voltado para a realidade brasileira: Implementando RFID na Cadeia de Negócios, autora do livro Internet das Coisas sem Mistérios, e colunista do RFID Journal Brasil. Coordena os conteúdos programáticos oferecidos nos treinamentos do Centro de Excelência em RFID powered by HP.


Serviço:

Logística e Cadeia de Suprimentos 4.0
Quando: 11 de novembro - das 19h às 21h30
Onde: Auditório da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios (EPPEN) – Unifesp Campus Osasco
Endereço: Rua Angélica, 100 - Jd. das Flores Osasco/SP (Como Chegar)

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Repensando as decisões II: Como tomamos decisões difíceis

Como tomamos nossas decisões mais difíceis ou "existencialmente importantes"? Como fazemos quando esgotamos nossa capacidade de encontrar sentido, após semanas de esforço para definir analiticamente a melhor opção? Ao contrário do que diz o senso comum e a literatura científica dominante, é nesse momento de esgotamento da racionalidade que surge a intuição. Este ensaio é sobre isso



    Crédito: Taha Ajmi/Unsplash


Álvaro Machado Dias




I. Introdução: a supremacia da razão 


Se existe uma coisa surpreendente em relação ao progresso acelerado é que nos permite ver com clareza que as grandes questões da vida em sociedade, assim como as principais correntes de entendimento, não mudam muito ao longo do tempo. 


Numa das mais fortes catálises intelectuais da história ocidental, Descartes, Espinosa, Leibniz e outros contemporâneos da metade do século 17 deitaram as bases para uma das principais vertentes do nosso pensamento, o racionalismo. 


Em um nível de simplificação análogo ao dizer que a física quântica é a física das coisas bem pequenininhas, estes filósofos se libertaram de parte relevante do fardo religioso típico do pensamento medieval e dissecaram o pensamento, especialmente o matemático, como forma elevada de conhecimento do mundo.


Saiba mais aqui . 




sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Cálculo da inflação oficial perde itens como CD, DVD e xerox, e inclui Netflix e Uber

Itens considerados obsoletos deixaram o cálculo do IPCA




A estrutura preliminar do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgada nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que itens considerados obsoletos deixaram o cálculo da inflação oficial do país, abrindo espaço para bens e serviços da atualidade.


Segundo o IBGE, 56 novos produtos e serviços passam a integrar o índice, incluindo tecnologias como serviços de streaming (peso de 0,08%) como Netflix e Spotify, transporte por aplicativo (0,21%) como Uber, Cabify e 99, combos de telefonia, internet e TV por assinatura (1,81%) e conserto de aparelho celular (0,07%).


Esses itens ganham espaço a partir do índice de janeiro de 2020 deixado por itens considerados obsoletos como aparelho de DVD, assinatura de jornal, fotocópia, máquina fotográfica, revelação e cópia. Esses itens deixam de ser pesquisados ou acabaram agregados a outros subitens.


A defasagem da cesta de consumo do IPCA era explicada pelo longo período de quase dez anos sem realização da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), que acompanha as despesas dos domicílios do país e serve de referência para o índice preço. Até então, a última edição era de 2008/2009.


Os novos bens e serviços foram identificados pela POF 2017-2018, divulgada na semana passada pelo IBGE. As alterações passam a valer na divulgação de fevereiro, referente aos índices de janeiro de 2020. O IBGE atualizou a estrutura do IPCA em tempo recorde após a POF.


A nova estrutura também trouxe itens do consumo prático, como macarrão instantâneo (0,03%) e polpa de fruta congelada (0,01%). Da mesma forma, o conserto de bicicleta (0,18%), sobrancelha (0,11%), atividade física (0,40%) cabeleireiro e barbeiro (1,09%) e depilação (0,06%) entram no índice.




FONTE: Valor Econômico